sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Homenagem de Natal


Faltam poucos dias para a chegada do Natal. Deixemos de lado nossas preocupações, ansiedades e pessimismos.

Existe, Senhor, uma voz que possa ouvir com mais carinho, com mais ternura, com mais comoção e solicitude do que o choro de uma criança recém-nascida?

No silêncio da noite de Natal, escuta Senhor, no choro do teu Filho, a voz de todas as nossas lágrimas contidas em nossas almas.

A voz de nossos desejos que não realizaram, dos nossos amores que não puderam ser vividos, das nossas aspirações que não chegaram a se expressar.

A despedida inesperada de nossa amiga Nilce. Deus a chamou para que o Natal fosse passado com os anjos celestiais.

Os nossos direitos que não foram reconhecidos. Os nossos erros que não tiveram a oportunidade de ser perdoados.

Os esclarecimentos que não conseguimos dar e as explicações que não pudemos receber.

O nosso bem que não impressionou e a nossa fraqueza que escandalizou.

Os agradecimentos que não demos e as recompensas que não vieram. A nossa vida que o mar levou. A despedida de “alguém” que Deus chamou e nos deixou na saudade!

Os castelos de areia que ficaram na praia sem terminar. A semente que plantamos e não germinou.

Ouve, Senhor, na voz de seu Filho, o choro de todo este mundo. Amém!

Desejo a todos um Feliz Natal e um Ano Novo com muita Saúde e Paz! Final do ano, final da vida, final do momento. Aqueça o que anda frio. Esclareça o que anda tenebroso. Defenda o que anda indefeso. Ensine-nos o sabor, a força, a luz de saber dizer:

Amém! Obrigado, Jesus! Feliz Natal!

Estas são as palavras de meu amigo Carlos Alberto Cândia, faço minhas estas palavras.

Sergio A. Oliveira Neto

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Aleluia

Eu ouvi que havia um acorde secreto
Que Davi tocou e agradou ao Senhor
Mas você não se importa com musica não é ?
É assim ... a quarta, a quinta
O menor cai, O maior sobe
O rei confuso compondo aleluia
Aleluia Aleluia Aleluia Aleluia
Sua fé era forte, mas você precisava de provas
Você viu o banho dela no telhado
A beleza dela e o luar arruinaram você
Ela amarrou você em uma cadeira da cozinha
Ela quebrou seu trono, Ela cortou seu cabelo
E de seus lábios ela puxou aleluia
Aleluia Aleluia Aleluia Aleluia
Talvez eu tenha estado aqui antes
Eu conheço esse cômodo, eu já andei neste chão
Eu costumava viver sozinho antes de te conhecer .
Eu vi sua bandeira no arco marmóreo
Amor não é uma marcha de vitória
É um frio e sofrido Aleluia
Aleluia Aleluia Aleluia Aleluia
Havia um tempo que você me deixava saber
O que realmente vem a acontecer lá embaixo
Mas agora você nunca mostra isso para mim, não é ?
E se lembra de quando eu entrei em você?
trevas sagradas também entrava
E toda respiração que nós puxávamos era aleluia
Aleluia Aleluia Aleluia Aleluia
Talvez haja um Deus lá em cima
E tudo que eu aprendi do amor
É como atirar em alguém que desarmou você
E isso não é um choro que você pode ouvir á noite
Não é alguém que viu a luz
É um frio e sofrido Aleluia
Aleluia Aleluia Aleluia Aleluia
Aleluia Aleluia Aleluia Aleluia

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Arnaldo Jabor


Comentários de Arnaldo Jabor.

“ESTOU FAZENDO MINHA PARTE”

Arnaldo Jabor
- Brasileiro é um povo solidário. Mentira. Brasileiro é babaca.
Eleger para o cargo mais importante do Estado um sujeito que não tem escolaridade e preparo nem para ser gari, só porque tem uma história de vida sofrida;
Pagar 40% de sua renda em tributos e ainda dar esmola para pobre na rua ao invés de cobrar do governo uma solução para pobreza;

Aceitar que ONG’s de direitos humanos fiquem dando pitaco na forma como tratamos nossa criminalidade…

Não protestar cada vez que o governo compra colchões para presidiários que queimaram os deles de propósito, não é coisa de gente solidária.
É coisa de gente otária.

- Brasileiro é um povo alegre. Mentira. Brasileiro é bobalhão.

Fazer piadinha com as imundices que acompanhamos todo dia é o mesmo que tomar bofetada na cara e dar risada.

Depois de um massacre que durou quatro dias em São Paulo , ouvir o José Simão fazer piadinha a respeito e achar graça, é o mesmo que contar piada no enterro do pai..
Brasileiro tem um sério problema.
Quando surge um escândalo, ao invés de protestar e tomar providências como cidadão, ri feito bobo.

- Brasileiro é um povo trabalhador. Mentira.

Brasileiro é vagabundo por excelência.
O brasileiro tenta se enganar, fingindo que os políticos que ocupam cargos públicos no país, surgiram de Marte e pousaram em seus cargos, quando na verdade, são oriundos do povo..

O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica indignado ao ver um deputado receber 20 mil por mês, para trabalhar 3 dias e coçar o saco o resto da semana, também sente inveja e sabe lá no fundo que se estivesse no lugar dele faria o mesmo.

Um povo que se conforma em receber uma esmola do governo de 90 reais mensais para não fazer nada e não aproveita isso para alavancar sua vida (realidade da brutal maioria dos beneficiários do bolsa família) não pode ser adjetivado de outra coisa que não de vagabundo.

- Brasileiro é um povo honesto. Mentira..

Já foi; hoje é uma qualidade em baixa.
Se você oferecer 50 Euros a um policial europeu para ele não te autuar, provavelmente irá preso.
Não por medo de ser pego, mas porque ele sabe ser errado aceitar propinas.

O brasileiro, ao mesmo tempo em que fica indignado com o mensalão, pensa intimamente o que faria se arrumasse uma boquinha dessas, quando na realidade isso sequer deveria passar por sua cabeça.

- 90% de quem vive na favela é gente honesta e trabalhadora. Mentira.

Já foi.
Historicamente, as favelas se iniciaram nos morros cariocas quando os negros e mulatos retornando da
Guerra do Paraguai ali se instalaram.
Naquela época quem morava lá era gente honesta, que não tinha outra alternativa e não concordava com o crime.
Hoje a realidade é diferente.
Muito pai de família sonha que o filho seja aceito como ‘aviãozinho’ do tráfico para ganhar uma grana legal.
Se a maioria da favela fosse honesta, já teriam existido condições de se tocar os bandidos de lá para fora, porque podem matar 2 ou 3 mas não milhares de pessoas.
Além disso, cooperariam com a polícia na identificação de criminosos, inibindo-os de montar suas bases de operação nas favelas.

- O Brasil é um pais democrático. Mentira.

Num país democrático a vontade da maioria é Lei.
A maioria do povo acha que bandido bom é bandido morto, mas sucumbe a uma minoria barulhenta que se apressa em dizer que um bandido que foi morto numa troca de tiros, foi executado friamente.

Num país onde todos têm direitos mas ninguém tem obrigações, não existe democracia e sim, anarquia.
Num país em que a maioria sucumbe bovinamente ante uma minoria barulhenta, não existe democracia, mas um simulacro hipócrita.
Se tirarmos o pano do politicamente correto, veremos que vivemos numa sociedade feudal: um rei que detém o poder central (presidente e suas MPs), seguido de duques, condes, arquiduques e senhores feudais (ministros, senadores, deputados, prefeitos, vereadores)..
Todos sustentados pelo povo que paga tributos que têm como único fim, o pagamento dos privilégios do poder. E ainda somos obrigados a votar.

Democracia isso? Pense !

O famoso jeitinho brasileiro.
Na minha opinião, um dos maiores responsáveis pelo caos que se tornou a política brasileira.
Brasileiro se acha malandro, muito esperto.
Faz um ‘gato’ puxando a TV a cabo do vizinho e acha que está botando pra quebrar.

No outro dia o caixa da padaria erra no troco e devolve 6 reais a mais, caramba, silenciosamente ele sai de lá com a felicidade de ter ganhado na loto…. malandrões, esquecem que pagam a maior taxa de juros do planeta e o retorno é zero. Zero saúde, zero emprego, zero educação, mas e daí?
Afinal somos penta campeões do mundo né?? ?
Grande coisa…

O Brasil é o país do futuro. Caramba , meu avô dizia isso em 1950. Muitas vezes cheguei a imaginar em como seria a indignação e revolta dos meus avôs se ainda estivessem vivos.
Dessa vergonha eles se safaram…
Brasil, o país do futuro !?
Hoje o futuro chegou e tivemos uma das piores taxas de crescimento do mundo.

Deus é brasileiro.
Puxa, essa eu não vou nem comentar…

O que me deixa mais triste e inconformado é ver todos os dias nos jornais a manchete da vitória do governo mais sujo já visto em toda a história brasileira.

Para finalizar tiro minha conclusão:

O brasileiro merece! Como diz o ditado popular, é igual mulher de malandro, gosta de apanhar. Se você não é como o exemplo de brasileiro citado nesse e-mail, meus sentimentos amigo, continue fazendo sua parte, e que um dia pessoas de bem assumam o controle do país novamente.
Aí sim, teremos todas as chances de ser a maior potência do planeta.
Afinal aqui não tem terremoto, tsunami nem furacão.
Temos petróleo, álcool, bio-diesel, e sem dúvida nenhuma o mais importante: Água doce!

Só falta boa vontade, será que é tão difícil assim?

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

O Cego de Jericó

O Evangelho de Lucas contém a passagem do cego de Jericó.
Segundo ele, perto de Jericó, havia um cego assentado junto do caminho, mendigando.
Ao ouvir passar a multidão, perguntou o que era aquilo.
Responderam-lhe que Jesus, o Nazareno, passava.
Imediatamente o cego clamou, dizendo:
Jesus, filho de David, tem misericórdia de mim.
Os que passavam o repreendiam para que se calasse.
Mas ele clamava ainda mais alto pela misericórdia do Cristo.
Então, Jesus parou e mandou que lhe trouxessem o pedinte.
Quando esse foi posto ao Seu lado, indagou o que queria que lhe fizesse.
O cego respondeu: Senhor, que eu veja.
Jesus lhe disse: Vê; a tua fé te salvou.
O mendigo, imediatamente, passou a ver e a seguir Jesus, glorificando a Deus.

* * *

Essa narrativa enseja interessantes reflexões.
Retrata qual deve ser o propósito dos seres em evolução, perante as bênçãos celestes.
Um miserável se encontrou com o representante da Misericórdia Divina na Terra.
Nessa oportunidade tão magnífica, ele pediu para ver.
O objetivo desse cego honesto e humilde deveria ser o de todos os homens.
Mergulhados na carne ou fora dela, com frequência, se assemelham ao pedinte de Jericó.
O trabalho da vida os chama, apela por eles com veemência.
A luz do conhecimento os abençoa.
O afeto da família os sustenta.
As oportunidades se apresentam, instigantes e preciosas.
Mas eles permanecem indecisos, à beira do caminho.
Quedam inertes, sem coragem de marchar para a realização elevada que lhes compete atingir.
É como se esperassem facilidades imensas.
Como se o trabalho do bem devesse ser feito por privilegiados.
Nesse contexto de preguiça e covardia, por vezes, surge uma revelação espiritual.
De algum modo, dá-se a aproximação com a esfera psíquica do Cristo.
Então, o mundo se volta contra eles.
Esse movimento repressor pode se dar das mais variadas formas.
Pode ser na figura de convites a viver com leviandade.
Ou mediante o discurso desanimador quanto à vitória do bem.
De um modo ou de outro, eles são induzidos à indiferença para com o bem maior.
Então, muito raramente sabem pedir com sensatez.
Por isso mesmo, é muito valiosa a recordação do pobrezinho referido pelo evangelista Lucas.
Não é preciso e nem conveniente comparecer diante do Mestre com volumosa bagagem de rogativas.
Não é sensato pedir por facilidades, influências ou riquezas as mais diversas.
Basta que se lhe peça o dom de ver, com a exata compreensão das particularidades do caminho evolutivo.
Que o Senhor conceda o dom de enxergar todos os fenômenos e situações, pessoas e coisas, com amor e justiça.
Com esse dom, cada qual possuirá o necessário à própria alegria imortal.
Pense nisso.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. 44, do livroCaminho, Verdade e Vida, pelo Espírito Emmanuel, psicografia de
Francisco Cândido Xavier, ed. Feb.
Em 31.08.2012

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Ouça a Música

Listen To The Music (tradução)Doobie Brothers

OUÇA A MÚSICA

Você não sente isso crescendo
Dia a dia
Pessoas se preparando para as novidades
Algumas estão felizes,
Outras estão tristes

Oh, nós temos que deixar a música tocar
O que as pessoas precisam
É de um jeito de fazê-las sorrirem
Não é tão difícil, se você souber como.

Tenho que pegar uma mensagem
Levá-la através...
Oh, agora mamãe, vai recebe-la depois de um tempo

Oh, Oh, ouça a música
Oh, Oh, ouça a música
Oh, Oh, ouça a música
O tempo todo

Bem eu sei
Você sabe melhor ainda
Tudo o que eu digo
Encontre me no campo por um dia
Nós estaremos felizes
E nós dançaremos
Oh, nós iremos dançar nosso blues

Se eu estou me sentindo bem pra você
E você está se sentindo bem pra mim
Não há nada que não possamos fazer ou dizer
Sentindo-nos bem, sentindo-de legal

Oh, deixe a música tocar.

Oh, Oh, ouça a música
Oh, Oh, ouça a música
Oh, Oh, ouça a música
O tempo todo

Como um rio preguiçoso correndo
Rodeando castelos no céu

E a multidão está crescendo mais
Ouvindo os sons felizes
E eu tenho que deixá-los voar.

Oh, Oh, ouça a música
Oh, Oh, ouça a música
Oh, Oh, ouça a música
O tempo todo

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Trabalhar na aviação

Quem é do ramo sabe o que é trabalhar nela ....

Três amigos se encontram, durante um almoço...
O que você está fazendo na vida, João (ex-executivo da Pirelli)?

- Bem... eu montei uma recauchutadora de pneus. Não tem aquela
estrutura e organização que havia quando eu trabalhava na Pirelli mas vai
indo muito bem...

-E você, José (ex-gerente de vendas da Shell)?
- Eu montei um posto de gasolina. Evidentemente também não tenho a
estrutura e a organização do tempo que eu trabalhava na
Shell, mas estou progredindo...

- E você Orlando (ex-mecânico de uma grande empresa aérea)?
- Eu montei um puteiro.
- Um puteiro???
- É, um puteiro! É claro que não é aquela zona toda da aviação, mas já
tá dando algum lucrinho...

Segue a explicação de o que é trabalhar em Aviação :

1 - Você trabalha em horários estranhos (que nem as putas);

2 - Te pagam, para fazer o cliente feliz (que nem as putas);

3 - Seu trabalho vai sempre além do expediente (que nem as putas);

4 - Você realiza horas extras em dias como o Domingo(que nem as putas);

5 - Seus amigos se distanciam de você e você só anda com outros iguais a você (que nem as putas);

6 - Quando você vai trabalhar você precisa estar apresentável (que nem as putas), mas quando você volta parece que saiu do inferno
(que nem as putas);

7 - A empresa de aviação sempre quer pagar menos e quer que você faça maravilhas (que nem as putas);

8 - Quando te perguntam em que você trabalha, você tem dificuldade para explicar (que nem as putas);

9 - Se as coisas dão errado é sempre culpa sua (que nem as putas);

10 - Um dia você acorda e diz: NÃO VOU PASSAR O RESTO DOS MEUS DIAS FAZENDO ISSO !!! (que nem as putas), mas nunca consegue (que nem as putas), porque na verdade você AMA o que faz.

Educação Como Arte

A educação, bem entendida, é a chave do progresso moral.
Quando se conhecer a arte de manejar os caracteres, como se conhece a de manejar as inteligências, será possível endireitá-los, como se endireitam plantas novas.
Mas essa arte exige muito tato, muita experiência e uma profunda observação.

* * *

As palavras encontradas na resposta da questão 917 de O livro dos Espíritos, vão ao cerne do tema educação.
Tratar a educação como uma arte, implica em muita coisa.
Implica, por exemplo, em entender que ela exige atécnica e exige a inspiração, asensibilidade.
A técnica que nos faz conhecer a alma humana, através do estudo das ciências especializadas.
Todo aquele que é educador, nas mais diferentes esferas que essa missão abrange, precisa ter conhecimento do conteúdo dessa matéria.

Não falamos apenas de professores, tutores, orientadores mas também dos pais.
Sim, os pais, como educadores, precisam buscar esse aprimoramento, sempre que possível, para desempenharem melhor o papel bendito que receberam do Criador.

Sabemos, sem dúvida, que o amor é o essencial. Mas o amor, sem a orientação da razão, do conhecimento, pode ficar sem leme e sem direção.
De forma alguma estamos colocando a necessidade de um curso técnico ou curso superior, na área da educação, para todos os pais, mas sim o acesso a leituras, cursos e orientações que os ajudem a desenvolver mais apropriadamente a tarefa que abraçam.
Como arte, a educação exige também a parcela de inspiração, de sensibilidade.
É aí que entram a empatia, o tato e a observação.

Os educadores precisam buscar entrar no sentimento de seus educandos, dessa forma crescendo juntos e proporcionando que o aprendiz se desenvolva em bases seguras.
A arte é expressão do bem e do belo e a arte da educação faz com que possa brotar, no coração do educando, a beleza que guarda dentro de si, como germe esperando o instante de florescer.
Brota apenas quando tem as condições necessárias: terra fértil, rega, sol, cuidados...
Todo mestre é um semeador e toda semeadura é também uma verdadeira arte.

* * *

Se você é educador, pai, mãe, reflita se não pode se esmerar um pouco mais no exercer essa belíssima arte.
Não relegue para segundo plano, em seu viver, a tarefa de educar.
Se está na fase das crianças pequenas e adolescentes, redobre os cuidados, redobre a atenção.
Nada na vida pode ser mais importante que isso, nesse momento de sua existência.
Esse tempo passa rápido, por isso, aproveite bem. Tudo que for semeado hoje terá reflexos em toda idade adulta.

A relação que você construir agora, com seus filhos e seus educandos, será a basepara a construção da personalidade deles.
Esmere-se. Dedique-se. Semeie.
Por ser tarefa abençoada e de suma importância para a instauração da paz na terra, recorde-se de que nunca estará sozinho ao desempenhá-la. Tenha certeza disso.

Redação do Momento Espírita com base no item 917, de O livro dos Espíritos, de Allan Kardec, ed. Feb.
Em 20.08.2012.

Privilegiada Velhice

O anúncio de sua morte se deu em 2009, poucos dias antes dela completar noventa e nove anos de idade. Em 2005, foi descoberta por uma equipe de reportagem, realizando seu voluntariado junto a idosos.

Natural de Bassano del Grappa, norte da Itália, veio para o Brasil fugindo da guerra.


Ela ganhou as telas das emissoras televisivas, sendo entrevistada em dois programas nacionais, em 2008. Numa delas afirmou que, no ano anterior, aos noventa e sete anos, tinha renovado sua carteira de motorista.

E, apesar de recomendações dos familiares para abandonar a direção, ela continuou a comparecer ao serviço voluntário, em dois locais diferentes, dirigindo seu fusca laranja, ano 74.

Recebeu do governo do Rio Grande do Sul o troféu Ana Terra, pelos relevantes serviços prestados à comunidade.

Radicada em Bento Gonçalves, no estado gaúcho, demonstrava agilidade física e mental.

Seu nome é Ana Varianni. Servindo ao seu semelhante, no Lar do ancião e na Sociedade Beneficente Santo Antônio, mostrava grande carinho.

Em uma das instituições, era responsável por nada menos de doze idosos, que se encontravam na faixa dos setenta-setenta e cinco anos.

Servia-lhes a alimentação na boca, dadas as deficiências de que eram portadores. E, no seu sotaque italiano carregado, que lhe conferia ainda mais especial sonoridade, ela amassava a comida para os que não tinham possibilidade de boa mastigação e incentivava:
Ora, vamos, onde se viu uma senhora dessa idade não querer comer? Se não comer, não pode viver. Vamos lá!

Cuidadosa, afirmava que agora, quase aos cem anos, não se permitia dirigir em grande velocidade, ia devagar. A uma indagação espirituosa do entrevistador que se disse apaixonado por ela e lhe propôs casamento, ela objetou:

Meu amigo, nessa altura da vida, o melhor é que sejamos bons amigos!

Seu filho assim se expressou, quando da ocorrência de sua morte: Tenho a melhor das lembranças de minha mãe. Ela viveu intensamente e alcançou todos os objetivos da vida dela com os filhos, os netos e trabalhando para o bem-estar da sociedade.

* * *

Ana morreu deixando o exemplo do dinamismo que os anos não podem apagar. Altera-se a máquina física, as forças já não são tão intensas, contudo, a vontade de agir permanece firme.

Exemplo para tantos que nos dizemos tristes porque já não podemos fazer tudo que fazíamos na juventude. Seria de analisar: Será que não conseguimos mesmo ou será que nos acomodamos, em nome de uma certa soma de anos vividos?

Exemplos inúmeros existem que nos demonstram que o Espírito se sobrepõe ao corpo e o comanda.

Maia Plisetskaya, a bailarina russa, aos sessenta e um anos de idade, com um corpo impecável de bailarina clássica, dançou O lago dos cisnes.

Interpretou a infeliz Odete que, transformada em cisne branco morre de amores. Extraordinária performance.

Essas criaturas nos dizem que devemos sacudir a poeira dos ombros, retirar as teias de aranha do pensamento e viver.

Viver intensamente, não nos permitindo parar de aprender, de estudar, de produzir. Da forma que consigamos.

Alguns poderemos ter algumas limitações. Busquemos superá-las e, de uma vez para sempre, retiremos do nosso vocabulário as frases: Estou velho. Não sirvo mais para nada.

Redação do Momento Espírita.
Em 28.08.2012.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Oportunidades Diárias



Narra uma lenda chinesa que, às margens de imenso rio, vivia um pescador muito pobre.

Mal o rosto dourado da manhã se abria em sorrisos e as mãos brincalhonas da brisa matinal começavam a espalhar perfumes, ele se levantava e seguia para o rio.

As aves voavam alegres pelos ramos das árvores, em gorjeios maviosos. Mas nada disso animava Vicente, o pescador.

Ele andava lento, depois de se levantar com preguiça. Tomava o café matinal sem prestar atenção ao pão que fora servido, com carinho.

Com má vontade, naquela manhã, como em tantas outras, ele pegou suas redes de pesca, os apetrechos necessários e foi para o barco.

O dia prometia ser maravilhoso. A mãe natureza se esmerava em preparar um detalhe diferente, para que a reprise do dia anterior não fosse total. Um detalhe, afinal, é sempre muito importante.

Mas Vicente nada via. Foi resmungando para o barco. Sentou-se meio a contragosto, sempre reclamando e sentiu alguma coisa no chão. Sem olhar, apalpou com a mão direita. Encontrou uma sacolinha com pedras miúdas.

Distraído, sem ânimo para iniciar o trabalho da pesca, começou a jogar as pequenas pedras no rio, aguardando a chegada do sol.

Jogou uma a uma, divertindo-se com as ondulações que se desenhavam na superfície das águas.

Finalmente, o sol apareceu soberano, rasgando a escuridão da noite, com o seu punhal de luz.

Agora havia calor e muita luminosidade. O novo dia abriu seu manto de belezas para que todos o pudessem apreciar.

Vicente, ao pegar a última pedra, verificou que ela cintilava, refletindo os raios do sol. Examinando melhor, percebeu que se tratava de um diamante, explodindo claridade e beleza.

Levantou-se depressa e sacudiu a sacolinha. Estava vazia. Dando-se conta que jogara no rio uma imensa riqueza, Vicente se pôs a gritar, esbravejar, acusando todas as pessoas e o mundo por sua desgraça.

Sentia-se infeliz e amargurado. Perdera um grande tesouro. Jogara tudo no rio.

E, enquanto gritava e se desesperava, nem se deu conta de que ainda possuía nas mãos a última pedra preciosa.

* * *

Se você acordou esta manhã com mais saúde do que doença, você é mais abençoado do que o milhão que não sobreviverá esta semana.

Se você nunca passou pelo perigo de uma batalha, a solidão de uma prisão, a agonia de uma tortura, ou as aflições da fome, você está à frente de quinhentos milhões de pessoas no mundo.

Se você tem a ventura de frequentar um templo religioso, de seguir uma religião sem o medo de ser preso, torturado ou morto, você é mais abençoado do que três bilhões de pessoas no mundo.

Se você tem comida na geladeira, roupas no corpo, um telhado sobre a cabeça e um lugar para dormir, você é mais rico do que setenta e cinco por cento das pessoas do mundo.

Por tudo isso, não se esqueça de agradecer a Deus a oportunidade da vida, da saúde, da liberdade e de todas as outras bênçãos de que você desfruta.



Redação do Momento Espírita, com base no cap. 8, do livro Para sempre em nosso coração, de Maria Anita Rosas Batista, ed. Minas e Em prece, de autoria desconhecida.

Em 22.08.2012.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Brasileiro


A essência do brasileiro é constituída de diversas características incomum em outros lugares do mundo. Não há, de forma alguma, um brasileiro cuja história não seja incrível. Este povo, de respeitável admiração, representa o resultado de uma mistura de raças, culturas, costumes e conhecimentos, explicando assim, grandes tendências à arte, em todas as suas formas como na harmonia dos sons, pela música.
                                       É sabido que, no Brasil, a cada passo há um ritmo diferente, uma melodia sendo tocada, que a música é festejada com afinco, ela ilustra os diversos momentos ao longo da vida de um brasileiro. Povo abençoado este que, mesmo em meio a tantas dores, injustiças e sofrimento, encontra na música seu momento de redenção, de entrega.
                                       Usa com maestria a criatividade para expressar seu mais profundo sentimento, criando estátuas, pintando quadros, escrevendo poemas; em terras ‘brazilis’ não se faz distinção do branco e o preto, apenas interpreta-os como cores que compõe suas obras e expõe para o mundo a lição da vida em um linda aquarela. “Vejam essa maravilha de cenário...” Brasil de todas as cores e todas as raças, de sonhos e realizações. Este povo, verde amarelo, é Tiradentes pela liberdade, é Cartola em suas canções, Jorge Amado nas paixões literárias, na beleza da criação viu em sua história Mestre Aleijadinho deixar seu legado... “Brasil, um sonho intenso, um raio vivido...”, pois mesmo sendo um povo marcado pela dor, provocada por seus líderes, sorri, “levanta a poeira e dá a volta por cima”.
                                       As ferramentas do brasileiro são suas mãos, sua criatividade e sua alegria, tudo que há de necessário a terra lhe dá em troca de arado e não tem motivos para desejar o de fora com a desculpa de que seria melhor, pois quem é verde e amarelo bate no peito, arregaça as mangas e faz a vida acontecer, essa é a alma do brasileiro, essa é sua história.
“Terra adorada, entre outras mil, és tu Brasil, ó Pátria amada, dos filhos deste solo és mãe gentil, Pátria amada Brasil.”

Crônicas



Todos nós possuímos certas características internas – padrões comportamentais – tão arraigados dentro de nós que dão a sensação de serem impossíveis de mudar.

É como a história do homem a quem Deus diz para empurrar uma rocha. Ele tenta, tenta e continua tentando, empurra com toda a sua força durante semanas, meses e até anos, até que finalmente vai até Deus e diz: "Eu fiz o máximo possível! A rocha não sai do lugar!".

Deus responde: "Eu não lhe disse para fazer a rocha sair do lugar. Disse-lhe apenas que a empurrasse. Fazê-la sair do lugar é minha tarefa, mas veja como você ficou mais forte ao fazer essas tentativas".

Quando uma mudança parecer assustadora, lembre-se de que quando fazemos o esforço é que crescemos, só então a Luz vai ao nosso encontro, na metade do caminho, e se encarrega do resto.
Yehuda Berg



terça-feira, 28 de agosto de 2012

Ações e Palavras

O que você faz fala tão alto, que não consigo ouvir o que você diz.

O pensamento do filósofo e escritor americano, Ralph Waldo Emerson, precisa de nossa atenção.
Ações falam muito mais de nós mesmos do que nossas palavras.

Nossas palavras articulam-se por conveniência, por convenções e podem ser muito bem dissimuladas por força de nossa vontade, isto é, nem sempre contarão a verdade.
As ações mostram o que há em nossa alma, nossa índole, nossos valores.
É muito fácil falar. Mais difícil agir.

Francisco de Assis, missionário que resgatou a essência da mensagem do Cristo na Terra, em uma de suas pregações, afirmou:

A paz proclamada por vós com palavras deve habitar de modo mais abundante em vossos corações.
Isso significa que precisamos vivenciar algo para que nossas palavras e opiniões tenham peso. É a chamada autoridade moral.

Ela é válida na educação dos filhos, por exemplo.
Esses precisam identificar, nos genitores, o mesmo comportamento que estão exigindo deles.
Caso não encontrem essa referência, dificilmente seguirão qualquer recomendação educacional.
Os filhos poderão até obedecer, mas por medo, por ascendência da força, naquele momento.

Esse tipo de ascendência, porém, não dura. Tão logo se desvencilhem dos pais ou desenvolvam uma independência maior, voltarão a repetir as mesmas atitudes do ontem equivocado.
Resumindo: não aprenderam. Simplesmente atenderam a uma recomendação, por determinado tempo.
Por isso ouvimos falar na força do exemplo.

Os filhos copiam os pais em muitos aspectos. Imitam suas ações, sua forma de lidar com isso ou aquilo na vida. Seus conselhos só serão ouvidos se perceberem a força da autoridade moral embasando as falas.
A sabedoria de alguém não é medida pelo quanto ela sabe, conhece, mas pela qualidade de suas ações.
Vemos assim, no mundo, grandes vozes, de retórica impecável, mas cujas ações, no dia a dia, não condizem com seu verbo afiado.

Sobem nas tribunas do mundo, cantando a igualdade, a justiça, a defesa da população, quando em seu coração há apenas a busca pela satisfação de sua vaidade e egoísmo, tirando vantagem de tudo e de todos.
E muitas consciências de hoje estão tão doentes, tão obnubiladas, que nem sequer sentem algum tipo de remorso, culpa ou responsabilidade.

Despertarão mais tarde, possivelmente com a dor, com a força da lei de causa e efeito,colocando tudo de volta nos trilhos da alma descarrilhada.
Assim, cuidemos de nossas palavras e cuidemos de nossas ações.
O que fazemos fala muito mais alto do que aquilo que dizemos.

Lembremos do pensamento do filósofo:
O que você faz fala tão alto, que não consigo ouvir o que você diz.

Redação do Momento Espírita.
Em 15.8.2012.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Dia de Raul

No dia 21/08/1989, Morreria Raul Santos Seixas.



Foi encontrado morto ás 7 da manhã de segunda-feira pela empregada Dalva Borges. Que entrou no quarto como de costume para abrir a janela, observou-o, viu que o lençol o cobria até a altura do peito. Então, saiu para iniciar suas tarefas do dia, mas Raul não acordava e isso era incomum, geralmente, bastava um só ruido para ele se acordar. Preocupada, Dalva decidiu vê-lo denovo, encontrou-o do mesmo jeito, e sem reação. Julgou que havia morrido, passou então a telefonar para seus amigos, Marcelo Nova e Jerry Adriani, não conseguindo encontra-los, ligou para o parceiro José Roberto Romeira, que logo pediu a Dalva para colocar um espelho perto de seu nariz , para ver se ainda respirava. Mas Dalva voltou e falou que não saia vapor das suas narinas e que ele não dava sinais de vida. Junto ao médico Luciano Stancka, e de Marcelo Nova, José roberto se dirigiu ao flat de Raul, chegando lá o doutor verificou que ele estava morto havia algumas horas. Raulzito morreu de pancreatite aguda, causada pelo ecesso de bebida.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Eu sou brasileiro



A essência do brasileiro é constituída de diversas características incomum em outros lugares do mundo. Não há, de forma alguma, um brasileiro cuja história não seja incrível. Este povo, de respeitável admiração, representa o resultado de uma mistura de raças, culturas, costumes e conhecimentos, explicando assim, grandes tendências à arte, em todas as suas formas como na harmonia dos sons, pela música.
É sabido que, no Brasil, a cada passo há um ritmo diferente, uma melodia sendo tocada, que a música é festejada com afinco, ela ilustra os diversos momentos ao longo da vida de um brasileiro. Povo abençoado este que, mesmo em meio a tantas dores, injustiças e sofrimento, encontra na música seu momento de redenção, de entrega.

Usa com maestria a criatividade para expressar seu mais profundo sentimento, criando estátuas, pintando quadros, escrevendo poemas; em terras ‘brazilis’ não se faz distinção do branco e o preto, apenas interpreta-os como cores que compõe suas obras e expõe para o mundo a lição da vida em um linda aquarela. “Vejam essa maravilha de cenário...” Brasil de todas as cores e todas as raças, de sonhos e realizações. Este povo, verde amarelo, é Tiradentes pela liberdade, é Cartola em suas canções, Jorge Amado nas paixões literárias, na beleza da criação viu em sua história Mestre Aleijadinho deixar seu legado... “Brasil, um sonho intenso, um raio vivido...”, pois mesmo sendo um povo marcado pela dor, provocada por seus líderes, sorri, “levanta a poeira e dá a volta por cima”.

As ferramentas do brasileiro são suas mãos, sua criatividade e sua alegria, tudo que há de necessário a terra lhe dá em troca de arado e não tem motivos para desejar o de fora com a desculpa de que seria melhor, pois quem é verde e amarelo bate no peito, arregaça as mangas e faz a vida acontecer, essa é a alma do brasileiro, essa é sua história.

“Terra adorada, entre outras mil, és tu Brasil, ó Pátria amada, dos filhos deste solo és mãe gentil, Pátria amada Brasil.”

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Vamos pensar um pouquinho


Um ser humano deve ser capaz de mudar uma fralda, planejar uma invasão, carnear um porco, pilotar um navio, projetar um edifício, escrever um soneto, puxar o saldo de contas, construir um muro, encanar um osso, confortar os moribundos, cumprir ordens, dar ordens, cooperar, agir sozinho, resolver equações, analisar um novo problema, carregar estrume, programar um computador, fazer uma refeição saborosa, lutar com eficiência e morrer corajosamente. A especialização é para os insetos. (Lazarus Long personagem de Robert Heinlein)

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Eu melhor


Qual foi a experiência de vida que transformou você em alguém melhor?

Esta foi a pergunta feita pela redação de uma revista de circulação nacional, aos seus leitores.
A questão gerou uma matéria muito inspirada, intitulada Eu, melhor, apresentando diversos relatos de pessoas e acontecimentos que as transformaram.

Encontros, desencontros, doenças, surpresas. Diversos tipos de experiências foram narradas e, ao finalde cada relato havia uma pessoa agradecida e melhor.

Uma delas, ainda muito jovem, lembra o dia em que o pai recebeu o diagnóstico de câncer e veio contar à família.
Pediu que não ficassem tristes pois, caso não conseguisse a cura, aproveitaria mesmo assim a oportunidade para se transformar em alguém melhor.

O homem buscou perdão e reconciliação com familiares. Um dia, ao ouvir de alguém a expressão doença maldita, rebateu dizendo: Para mim, ela é bendita!

Dois meses depois ele morreu. A filha, emocionada, afirma que não só ele se transformou em alguém melhor, mas mudou para melhor a vida de todos ao seu redor.

Seu exemplo é lembrado até hoje e sua conduta sempre será referência para aquele núcleo familiar.

*   *   *

A vida tem costume de surpreender. De repente, aparece alguém que, com um gesto, abre nossos olhos. Ou um acidente no percurso, apontando para novas direções.
Às vezes, é uma viagem ou um encontro programado que segue rumos inesperados e nos transforma.
É a soma de eventos assim, belos e gratuitos, que nos faz melhores, mais fortes, mais maduros.
Pode ser uma soneca no ônibus, um encontro com um desconhecido, um raio que clareia tudo ou a proximidade da morte.

O que importa é olhar para essas experiências e reconhecer que elas nos ensinaram e, do seu jeito, nos fizeram mais felizes.

Sem pedir nada em troca, são pequenas graças plantadas no cotidiano. Como se fossem sinais, apontando para lugares onde podemos ser mais leves e alegres.

Então, quando olhamos para trás e enxergamos o caminho percorrido, só nos resta agradecer, do fundo do coração, à vida, que nos faz uma versão melhor de nós mesmos.

*   *   *

Todas as forças da natureza nos impulsionam para frente, rumo ao progresso inevitável. Progresso da alma, que vai se tornando mais sensível, mais amorosa, mais madura.

Progresso também da mente, mais esclarecida, com capacidade de tomar decisões com mais segurança.
Aproveite esses momentos de reflexão, onde você estiver, para lembrar que experiências fizeram de você alguém melhor, e se você soube ou está sabendo aprender com os acontecimentos da vida.

Todos eles, julgados como bons ou maus por nós, trazem dentro de si o objetivo de depurar o Espírito aprendiz.

Qual foi a experiência de vida que transformou você em alguém melhor?




Redação do Momento Espírita com base em matéria da revista
Sorria nº 23, de dezembro/janeiro 2012, de autoria de Jaqueline Li,
Jéssica Martineli, Karina Sérgio Gomes, Rafaela Dias, Rita Loiola,
Tissiane Vicentin e Valéria Mendonça.
Em 27.6.2012.

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

O Óbvio


Certa vez, um amigo abordou o médium Chico Xavier e lhe perguntou:

Chico, na sua opinião, qual é o homem mais rico?
Para mim, respondeu ele, o homem mais rico é o que tenha menos necessidades.

Arriscando nova pergunta, o companheiro quis saber:

E o homem mais justo e sábio?
Com o fraterno sorriso de sempre, ele voltou a responder:
O homem mais justo e sábio é o que cumpre com o dever.

Mas– voltou a insistir o homem, certamente querendo uma resposta ou revelação diferente – o que você está me dizendo é o óbvio!

Sem parar o que estava fazendo e, com a espontaneidade de sempre, Chico terminou dizendo:
Meu filho, tudo que está no Evangelho é o óbvio!

Não existem segredos nem mistérios para a salvação da alma. Nada mais óbvio que a verdade!
O nosso problema é justamente este: queremos alcançar o céu, vivendo fora do óbvio na Terra!

*   *   *

A palavra óbvio vem do latim obvius e significa tudo aquilo que é evidente, à vista, lugar-comum.
Ela é formada de ob, que representa à frente; e de via, que significa caminho.
Assim, ela indica aquilo que está à nossa frente, sem ser segredo ou estar escondido, o que salta à vista.

O querido médium da paz, na sua humildade de sempre, mostrou excelsa sabedoria ao apontar uma característica humana dos dias atuais: a de complicar o que é extremamente simples.
Assim criamos fórmulas, palavras mágicas, receitas e esquemas mil, para entender o que sempre esteve tão claro nas palavras do Evangelho.

Por vezes, parece que a fuga do óbvio é fuga da responsabilidade.
Responsabilidade de quem já sabe o que deve fazer, de quem já tem o conhecimento, mas deixa a ação, a mudança, a renovação sempre para amanhã.

Por que relutamos tanto em entender o óbvio? Será entendimento o que falta? Acreditamos que não. Nossa geração já tem entendimento e inteligência suficientes.

O que falta é o movimento interior da mudança, de deixar as paixões negativas para trás.

Viver de acordo com as lições de um mestre, como Jesus, não é ser fanático religioso, extremista e cego. Não, de forma alguma. O verdadeiro cristão é discreto, porém atuante e firme nas ações.
Não enxerguemos Jesus como um santo, inatingível, que serve apenas para ser adorado. Já passamos desse tempo.

Hoje é tempo de vê-lO como um exemplo, um referencial, num mundo onde as referências são tão pueris.
A lição do Evangelho é o óbvio. O óbvio tão necessário para acalmar nossas almas angustiadas com as incertezas do mundo.

É via segura à nossa frente, conduzindo à tão sonhada felicidade.

Redação do Momento Espírita
25.01.2012.

terça-feira, 31 de julho de 2012

A maneira como você está vivendo cria a sua doença.


Felicidade é a natureza do homem. Você não precisa se preocupar absolutamente sobre a felicidade, ela já está presente. Ela está em seu coração – você só precisa parar de ser infeliz, você precisa parar o funcionamento do mecanismo que cria a infelicidade.

Contudo, ninguém parece estar preparado para isso. As pessoas dizem, “Quero a felicidade”. Isso é como se você dissesse, ‘Eu quero saúde’ – e você continua se apegando à sua doença e você não permite a doença ir embora.

Se o doutor prescreve o remédio, você o joga fora; você nunca segue nenhuma receita. Você nunca vai para um passeio matinal, você nunca vai nadar, você nunca vai correr na praia, você nunca pratica qualquer exercício. Você continua comendo obsessivamente, você continua destruindo sua saúde – e continuamente você segue perguntando onde encontrar saúde. Mas você não muda o mecanismo que cria a enfermidade.

Saúde não é alguma coisa a ser alcançada em algum lugar, ela não é um objeto. Saúde é um jeito de viver totalmente diferente. A maneira que você está vivendo cria enfermidade, a maneira que você está vivendo cria miséria.

Por exemplo, as pessoas chegam para mim e dizem que gostariam de ser felizes, mas elas não podem abandonar seus ciúmes. Se você não pode abandonar seu ciúme, o amor nunca irá crescer – as ervas daninhas do ciúme destruirão a rosa do amor. E quando o amor não cresce, você não pode ser feliz. Porque quem pode ser feliz sem o amor crescer? A menos que essa rosa floresça em você, a menos que essa fragrância seja liberada, você não pode ser feliz.

Agora as pessoas querem felicidade – mas apenas por querer, você não pode obtê-la. Querer não é o bastante. Você terá que penetrar no fenômeno da sua miséria, como você a cria – como em primeiro lugar você se tornou miserável, como você continua se tornando miserável a cada dia – qual é a sua técnica?

Porque felicidade é um fenômeno natural – se alguém está feliz não há nenhuma habilidade nisso, se alguém está feliz, não necessita de nenhum talento para ser feliz.

Os animais são felizes, as árvores são felizes, os pássaros são felizes. Toda a existência é feliz, exceto o homem. Somente o homem é tão engenhoso para criar infelicidade – ninguém mais parece ser tão talentoso. Portanto, quando você está feliz, isso é simples, é inocente, não é nada para se gabar. Mas quando você está infeliz, você está fazendo grandes coisas a si mesmo; você está fazendo algo realmente difícil.


Osho

Por que nos distanciamos dos amigos?


Houve uma vez dois amigos:
Eles eram inseparáveis, eram uma só Alma.  Mas por alguma razão seus caminhos tomaram dois rumos distintos e se separaram.

E ISTO INICIOU ASSIM:
Eu nunca voltei a saber do meu amigo até o dia de ontem, depois de 10 anos, que caminhando pela rua me encontrei com a mãe dele.

A comprimentei e perguntei por meu amigo.  Nesse momento seus olhos se encheram de lágrimas e me olhou nos olhos dizendo:
-Morreu ontem..
.
Não soube o que dizer a ela, ela seguia me olhando e então perguntei como ele tinha morrido.

Ela me convidou a ir a sua casa, ao chegar ali me chamou para sentar na velha sala onde passei grande parte de minha vida, sempre brincávamos ali, meu amigo e eu.
Me sentei e ela começou a contar-me a triste história.
Fazia 2 anos que diagnosticaram uma rara enfermidade, e sua cura dependia de receber todo mês uma transfusão de sangue durante 3 meses, mas..
Recorda que seu sangue era muito raro?
Sim, eu sei, igual ao meu...

Ele dizia que da única pessoa que receberia sangue seria de ti, mas não quiz que te procurássemos, ele dizia todas as noites:
-Não o procurem, tenho certeza que amanhã ele virá...

Assim passaram os meses, e todas as noites se sentava nessa mesma cadeira onde estás tu sentado e orava para que te lembrastes dele e viesse na manhã seguinte.

Assim acabou sua vida e ontem na última noite de sua vida, estava muito mal, e sorrindo me disse:
-Mãe, eu sei que logo meu amigo virá, pergunta pra ele por que demorou tanto e entrega a ele esse bilhete que está na minha gaveta.

A senhora se levantou, regressou e me entregou o bilhete que dizia:
Meu amigo, sabia que virias, tardastes um pouco mas não importa, o importante é que viestes. 

 Agora estou te esperando em outro lugar, espero que demores a chegar aqui, mas enquanto isso quero dizer desde o céu tens um amigo cuidando de ti, meu querido melhor amigo. 

Ah, por certo, te recordas porquê nós nos distanciamos?  Sim, foi porque não quiz te emprestar minha bola nova, rsrs, que tempos heim... 

Éramos insuportáveis, bom pois quero dizer que te dou ela de presente e espero que gostes muito.  Amo você!  Teu amigo de sempre e para sempre!


"Não deixes que teu orgulho possa mais que teu coração...
A amizade é como o mar, se vê o princípio mas não o final..."



"NENHUM DE NÓS É TÃO BOM QUANTO TODOS NÓS JUNTOS"

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Onde Está o Essencial?

A mulher entrou no consultório do psicoterapeuta e se sentou. Antes de começar a falar, já chorava.
Quando finalmente conseguiu parar de soluçar, disse: Estou sozinha. Meu marido me largou há dois meses. Viajei, pensando que esqueceria, mas não consigo esquecer.
Ele é um ingrato. Afinal, eu lhe dei os melhores anos de minha vida. Eu lhe dei filhos lindos. Eles sempre estavam prontos, bem vestidos e penteados, com as mochilas às costas, na hora de ir para a escola.

Sempre tive a refeição pronta quando ele chegava, não importando a hora. Sempre recebi os amigos dele. Sempre fui a todos os lugares com ele, mesmo que não gostasse. Sempre sorri, para que todos soubessem que ele tinha uma esposa feliz.
Dei-lhe uma casa maravilhosa. Nunca permiti que existisse pó sobre os móveis. Sempre tive o máximo de cuidado com os lençóis para que estivessem brancos, bem passados, perfumados.

E agora, isso! Ele conheceu uma mocinha no escritório, se apaixonou por ela e me deixou.
O psicoterapeuta olhou para ela e lhe perguntou: E o que é que você deu de você para ele?
Ela não entendeu. Sim, durante anos ela o servira como cozinheira, arrumadeira, babá dos filhos dele. Mas nunca se lembrara de que era a esposa, a companheira, a amiga.

* * *

Naturalmente, ter a casa arrumada, lençóis limpos, crianças alinhadas e prontas é importante. Mas não é tudo. Mesmo porque, algumas dessas tarefas podem ser delegadas a terceiros.
Uma refeição pode ser conseguida em um restaurante, roupas limpas na lavanderia, a casa pode ser limpa pela faxineira.

Mas o carinho de uma esposa não se compra. Espera-se, simplesmente, como a esposa aguarda o do marido.
Mais importante do que a casa sem pó, é um sorriso e um abraço de ternura quando os dois se encontram.

Mais importante do que o tapete exatamente no lugar e todos os enfeites bem dispostos sobre os móveis, é uma mão que aperta a outra com força.
É a companhia agradável de quem se senta ao lado, olha nos olhos e descobre que o outro teve um dia terrível.

Um confia ao outro as suas dificuldades e suas ansiedades, encontrando aconchego mútuo.
Amar é dar-se, é confiar. Olhar juntos para os filhos que crescem e vão se tornando independentes.

* * *

Lembre-se: o mais importante são as pessoas. De que adianta a casa, o carro, as joias, se não houver pessoas para partilhar com você?

Entre as pessoas existem aquelas que dependem do nosso afeto. Por isso, não se canse de amar.
Olhe para as pessoas. Preste atenção nas suas palavras, gestos, olhares, sentimentos. Em especial aquelas que compartilham com você do mesmo teto, pois são as que mais necessitam do seu amor.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. É aí que está a
luz (a busca do ser), do livro Vivendo, amando e aprendendo, de Leo
Buscaglia, ed. Nova era.
Em 11.07.2012.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Observa

Cada manhã é um novo dia.
Renasceste.
Saíste, mais uma vez, da nebulosa.
Deus te renovou o pensamento no cérebro aceso.
Retomaste a presença da luz.
O tempo te pertence.
Podes idear, criar, analisar.
Despertaste junto dos outros.
Tens o dom de servir.
Aceita a bênção de entender e a felicidade de trabalhar.
Reinicia a tarefa, estampando um sorriso em tuas páginas de bondade.
Coloca otimismo e paz, esperança e alegria em tua lista de doações para hoje.
Age agora para o bem.
Se mágoas de ontem ainda te pesam na alma, procura esquecê-las.
Se ofendeste a alguém, dispõe-te a sanar a falta cometida.
Se alguém te feriu, perdoa sem condições.
Olha os quadros em torno.
A vida te busca.
A oficina da oportunidade te abre as portas.
Escolhe fazer o melhor que puderes.
Sai de ti mesmo.
E segue adiante para amar, auxiliar, construir e compreender, porque Deus espera por ti.

[Meimei]

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Aprendendo com a Máfia

Lobos perdem os dentes, mas não o instinto.

Aço ruim não dá bom fio.

Águias não caçam moscas.

A sorte está ao lado dos fortes.

Um punhado de sorte vale mais que uma tonelada de sabedoria.

Se você não perceber o truque na primeira meia hora do jogo, desista.

Ao patinar em gelo fino, passe rapidamente.

Estabeleça prioridades, se está cercado de jacarés, a primeira providência é drenar o pântano.

Sempre tire a cobra do buraco com a mão de outra pessoa.

De cada quinze pessoas que elogiam, pelo menos quatorze mentem.

Trate estranhos como amigos. Confie neles como num estranho.

Ensine a sua boca a pronunciar "não sei".

Se tiver que mentir, seja breve.

O homem que quer se enforcar, sempre pode ser conduzido a uma corda.

Se você é a bigorna, seja paciente; se é o martelo, bata.

Para acabar logo, vá com calma.

Quando se zangar, feche a boca e abra os olhos.

Abra a boca e a carteira com cautela.

A única maneira de guardar um segredo é não falar nada.

O silêncio não comete erros.

Depois da vitória, afie a faca.

Deixe seu adversário falar. Quando ele acabar, deixe que fale um pouco mais.

O peixe morre pela boca.

Quem bate primeiro bate por último.

Vitórias são temporárias; derrotas também.

Quando tiver que cortar, convença a vítima de que você é um cirurgião.

Quem nunca sai à rua não conhece o pedaço.

A melhor defesa contra os traidores é a traição.

Dissabores sempre entram pela porta que lhes foi aberta.

A oportunidade faz o ladrão: o ladrão que não tem a oportunidade de roubar se diz um homem honesto.

Se permitir que seus inimigos - ou amigos - pensem que são iguais a você, eles imediatamente se sentirão superiores.

Não odeie seus inimigos. Prejudica o raciocínio. Apenas acabe com eles.

É preferível que seu inimigo superestime sua estupidez do que sua esperteza.

É muito melhor que seus inimigos pensem que você é maluco do que o achem razoável e racional.

De vez em quando, aguente um idiota; você pode descobrir algo de valor. Mas nunca discuta com ele.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Virtude e Gratidão

Francisco de Assis, o grande homem que se fez pequeno, em sua nobre humildade, para vivenciar o amor a Jesus, afirmou, certa feita, que a gratidão é das mais difíceis moedas de se ofertar na vida.
Por isso, o pobrezinho de Assis preocupava-se sempre em ser grato a tudo e a todos.

Agradecia ao irmão sol por aquecê-lo e proporcionar vida à Terra; ao irmão vento por acariciá-lo nos dias de calor; à irmã lua por enfeitar as noites de céu claro; ao irmão sofrimento, que lhe permitia reflexões e aprendizados sob o seu guante.
O exemplo de Francisco de Assis nos remete a profundas reflexões, nesses dias em que prepondera o egoísmo, com o que estamos vivendo, quando não agindo de igual forma.

Na irrefreada busca pelo sucesso, pela sobrevivência, pelos compromissos cotidianos, vivemos fechados em concha, envoltos nas próprias dificuldades, problemas e desafios.
Nesse tumultuar de compromissos, dificuldades, pouco paramos para perceber as coisas que a vida nos oferece e, egoisticamente, esquecemos de agradecer.

Os amores dos filhos que, aconchegados em nossos braços, parecem diluir as dores da alma, quem no-los ofertou?
A possibilidade do progresso profissional, os desafios de crescimento pessoal, as chances de desenvolvimento intelectual, quem nos oportunizou?
O corpo, que nos é instrumento de expressão, trabalho, convivência, emoções, quem no-lo deu?
Perguntemos a um doente com enfisema pulmonar, qual seu maior sonho e ele, certamente, responderá que seria poder respirar profunda e longamente.

E nós, mal nos damos conta da bênção da saúde. Ou do corpo que, mesmo com alguma avaria ou dificuldade, oferece oportunidades riquíssimas na vida.
Algumas vezes lembramos de agradecer à vida e ao Senhor da vida pelas nossas conquistas e alegrias.
Mas, por que não agradecer também pelo mal que não nos acometeu, pelas dificuldades que não ocorreram, pelas dores que não precisamos enfrentar?

E mesmo que os dias difíceis nos cheguem à jornada terrestre, agradeçamos a dor, que lapida a alma imperfeita, provocando o brotar de virtudes que ainda dormem latentes em nossa intimidade.
Ser grato à vida é virtude daqueles que conseguem sair do casulo do egoísmo e do autocentrismo, e reconhecem que a vida padece sem a ajuda e apoio que chegam a toda hora.
Para pregar Seu Evangelho de luz, Jesus escolheu doze homens para O auxiliar. E lhes foi grato, acompanhando-lhes a existência e recebendo-os em Suas bênçãos, um a um, no retorno à pátria espiritual.

Dessa forma, que sejamos nós também, a cada dia que se inicia, gratos à vida, com a mente e com o coração.
Assim, lembrando sempre de que somos devedores da bondade e misericórdia Celestes, que nos acompanham e sustentam-nos na caminhada, a gratidão será o sentimento que nos inundará a alma de peregrina e suave luz.

Redação do Momento Espírita, com base em palestra de
Divaldo Pereira Franco, proferida na
Praia do Forte, BA, em 16.09.2011.
Em 16.05.2012.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Cuidados de Deus

O hábito de reclamar é muito difundido.
Em toda parte, as criaturas reclamam.
Filhos em relação aos pais, cônjuges entre si, patrões e empregados, vizinhos, amigos e meros conhecidos.
Reclamões não faltam.
Já pessoas genuinamente gratas são um tanto raras.
Quem presta atenção no que falta costuma não notar o que tem.
Esse mau hábito é especialmente triste em se tratando da Divindade.
Porque Deus é o Senhor do Universo.
Dele procedem todas as bênçãos e oportunidades.
Ele cria todos os Espíritos e lhes viabiliza existências incontáveis a fim de que se aprimorem.
Cerca-os dos mais ternos cuidados.
Providencia-lhes corpos, vidas e amores.
Inclusive cuida de boicotar seus desatinos mais graves, para que não se compliquem em excesso.
Entretanto, curiosamente, os homens ainda se sentem no direito de reclamar do Eterno.
Imaginam ter direito a mais do que recebem.
Desejam tranquilidade, riqueza, poder, fama e beleza.
Contudo, nesse querer fantasioso, esquecem-se de notar e agradecer o muito que recebem.
Olvidam a bênção dos tempos de paz, nos quais podem perseguir seus sonhos.
Não valorizam a família na qual nasceram.
Os pais que lhes cercaram os primeiros passos de cuidados.
As escolas nas quais foram matriculados.
Os professores que os instruíram.
A saúde do corpo, a existência em um país pacífico, os amigos...
Acham natural possuir tantos tesouros.
Ocorre que nem todos podem desfrutar simultaneamente dos mesmos dons.
A vida na Terra constitui uma estação de aprendizado.
Nela, as experiências variam ao Infinito.
Há os que experienciam a saúde, enquanto outros vivem a enfermidade.
Os com facilidades materiais e os de vida mais modesta.
As posições se alternam no curso dos séculos.
O papel de cada homem é ser digno e fraterno na posição em que se encontra.
Utilizar os tesouros que recebeu da vida, a fim de crescer em talentos e virtudes.
E, especialmente, entender que o próximo é um irmão de caminhada.
Ele também deseja ser feliz e viver em paz.
É igualmente um filho de Deus.
Tendo isso em mente, urge repensar os próprios hábitos.
Identificar os inúmeros cuidados recebidos de Deus.
Ser grato por todos eles e cessar de reclamar por bobagens.
Quanto à gratidão, ela tem uma forma muito especial de se manifestar.
Consiste no amparo ao semelhante em estado de sofrimento ou abandono.
A bondade para com o próximo é uma forma de gratidão que o homem pode oferecer ao seu Criador.
Pense nisso.


Redação do Momento Espírita.
Em 14.05.2012.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

O Mundo e o Mal

Em certo trecho do Evangelho, Jesus faz uma longa oração pelos Seus discípulos.
Nessa oração, Ele pede a Deus que não os tire do mundo, mas que os livre do mal.
Esse trecho da prece do Cristo suscita as mais interessantes reflexões.
Nos centros religiosos, há sempre grande número de pessoas preocupadas com a ideia da morte.
Muitas não creem na paz, nem no amor, senão em planos diferentes da Terra.
A maioria aguarda situações imaginárias e injustificáveis em seu futuro espiritual.
Nessa expectativa de um amanhã rosado e glorioso, esquecem o esforço próprio.
Não fazem o possível para tornar melhor o mundo em que vivem.
Olvidam a bênção do trabalho, da disciplina e da perseverança.
Envolvem-se o mínimo possível com o sofrimento alheio.
Parecem achar que a vida na Terra é simplesmente algo a ser suportado.
Quanto antes passar, da forma mais automática possível, mais rapidamente entrarão na posse de uma felicidade perfeita.
Contudo, o anseio de morrer para ser feliz é enfermidade do Espírito.
Afinal, orando ao Pai por Seus discípulos, Jesus não rogou para que fossem retirados do mundo.
Pediu apenas que fossem libertos do mal.
Trata-se de um eloquente sinal de que o importante para as criaturas não consiste em trocar de domicílio.
Na Terra ou no Plano Espiritual, continuam as mesmas.
O mal, portanto, não é essencialmente do mundo, mas das criaturas que o habitam.
A Terra, em si, sempre foi boa.
De sua lama, brotam lírios de delicado aroma.
Sua natureza maternal é repositório de maravilhosos milagres que se repetem todos os dias.
De nada adianta alguém partir do planeta, quando seus males não foram exterminados convenientemente.
Em tais circunstâncias, a imensa maioria dos homens se assemelha aos portadores das chamadas moléstias incuráveis.
Podem trocar de residência.
Mas a mudança é quase nada, se as feridas os acompanham.
O relevante é embelezar o mundo e aprimorá-lo.
E isso se realiza mediante a transformação moral dos homens.
Nessa linha, cada ser humano é colocado no melhor contexto para que se aperfeiçoe.
Então, você não precisa morrer e nem mesmo trocar de vizinhança, de emprego, de família ou de país para ser feliz.
Necessita, sim, ser digno e generoso onde quer que a vida o tenha colocado.
Precisa aprender a perdoar e a dar de si, em vez de reclamar auxílio dos outros.
Quando se tornar trabalhador, desprendido, leal e bondoso, viverá em paz em qualquer ambiente.
Ainda que desafiado por fatores externos, possuirá um pedaço do céu em seu coração.
Pense nisso.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. 30 do livro Caminho,
Verdade e Vida, pelo Espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido
Xavier, ed. FEB.
Em 01.06.2012.